Home / Curiosidade / Crematório, uma saída na falta de espaços em cemitérios

Crematório, uma saída na falta de espaços em cemitérios

O ato de cremar esta sendo a cada dia melhor aceito pela população. 

A falta de espaço para sepultamento deve elevar a procura nos próximos anos.

Para entender melhor a pratica da cremação vamos esclarecer alguns fatores importantes da cremação A cremação é o processo de queima de um corpo sem vida, em alta temperatura, reduzindo-o a cinzas, substituindo, assim, o sepultamento. É realizada através de um equipamento de grande avanço tecnológico, planejado exclusivamente para esta finalidade.

curtanossofacebookA cremação é uma forma de utilizar o espaço urbano de forma adequada e consciente, já que não causa qualquer tipo de poluição ambiental e é um processo eficaz na destruição de micróbios.
Religiões e doutrinas como espiritismo, budismo, hinduísmo e umbanda não fazem qualquer restrição ao processo de cremação. A religião católica também permite a cremação. Somente o judaísmo e o islamismo não a permitem.

Os crematórios surgiram como método higiênico e ritualístico de se despojar dos cadáveres. A principal causa que levou o uso da cremação pela primeira vez foi a necessidade de diminuir o acúmulo de cadáveres, por ocasião de grandes e mortíferas epidemias que devastavam países inteiros e das vítimas de sangrentos combates.

Atualmente, o processo de cremação é de grande importância, tanto no aspecto ambiental como também para economia de espaço e recursos públicos, pois as populações urbanas crescem sem parar e o número de óbitos também, vindo a requerer soluções para tanto.

A cremação pode ser feita tanto para corpos humanos quanto para animais. Este perfil de negócios trata somente de tópicos relacionados à idéia de negócio: crematório ecumênico de corpos humanos

O mercado

banner lateral 300 x 250No ano de 1997, existiam no Brasil somente três crematórios. Já em 2012, segundo a SINCEP – Sindicato dos Cemitérios Particulares do Brasil, esse número aumentou para aproximadamente 34 crematórios espalhados pelo país, o que permite concluir que a cremação tem crescido consideravelmente nos últimos anos.

Esse aumento no número de crematórios é resultado de constantes mudanças nos costumes do povo brasileiro.

A crença religiosa é um fator que implica na escolha pela cremação ou pelo sepultamento, pois conforme exposto no capítulo “Apresentação de Negócio”, algumas religiões ainda proíbem essa prática. Contudo, a religião Católica ainda predomina em nosso país e, depois de reformulações feitas pelo Papa João Paulo II no sentido de consentir a cremação, o número de adeptos a esse procedimento aumentou.

A preocupação com o meio ambiente está presente entre os motivos que impulsionam o aumento no número de cremações. O processo de cremação impede a formação de um líquido proveniente da decomposição do corpo humano, chamado de necrochorume, comumente visto nos sepultamentos tradicionais. Ademais, existem, atualmente, fornos crematórios com emissão de CO e O² reduzida, possuindo taxa de emissão 70% abaixo do limite estabelecido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA.

luizalbuquerqueAo contrário do que muitos pensam, a cremação não é um procedimento exagerado caro. Apesar de exigir equipamentos e recursos de alta tecnologia, a cremação tem custos consideravelmente acessíveis, quando feito de forma racional. Um túmulo no cemitério requer investimento semelhante, cuidados e despesas permanentes. A cremação, além de mais econômica que a compra de um jazigo, túmulo ou gaveta, não exige taxa de manutenção necessariamente, já que as cinzas podem ser levadas para casa ou espargidas na natureza.

O tamanho do mercado consumidor dos crematórios é definido pelo número de óbitos da região, onde se busca conquistar o máximo possível de clientes dos já tradicionais cemitérios.

De acordo com o SINCEP (2007), no Brasil, a cada 1000 pessoas mortas, 85 delas são cremadas (8,5%), porcentagem essa aplicável em locais onde há a disponibilidade de cremação. Esse percentual não restringe, segundo o SINCEP, o público-alvo de acordo com sexo, credo, classe social e/ou renda, tornando-se um dado para aproximação bruta da quantidade de pessoas que são cremadas.

O público-alvo dessa atividade é caracterizado pelos familiares de pessoas falecidas, que usualmente são as pessoas que procuram os serviços fúnebres.

Gostou de fica sabendo?

Receba outras no seu Email e WhatsApp

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Número WhatsApp com DDD

Aceito receber conteúdos desse Portal.

Veja Também

casal.executivo

O que faz um Agente Funerário

O profissional mais importante no atendimento as famílias enlutadas Você sabe o que faz um Agente Funerário? ...