Home / Como é! / Como são os Costumes Japonêses em Velório, Cremação e Enterro

Como são os Costumes Japonêses em Velório, Cremação e Enterro

Cemiterio Japones

A cultura oriental nos momentos da última despedida do seu ente querido

Quando possível, os japoneses trazem a pessoa que faleceu para passar uma última noite em sua própria casa, para “descansar em seu próprio futon um última vez”. Pacotes de gelo são colocados ao redor do corpo sob um lençol branco, e cobre-se o corpo com o futon, como se a pessoa estivesse adormecida. O rosto é coberto com um lenço branco. Familiares e amigos – inclusive crianças de todas as idades – vêm prestar uma última visita e despedir-se da pessoa falecida.

É comum as pessoas sentarem-se ao lado – até mesmo na cama do falecido – e conversar e tocar no rosto da pessoa que morreu como se ela ainda estivesse viva.

Na manhã seguinte o corpo é levado em lenta procissão ao local onde os serviços de preparo do corpo serão feitos, caso não sejam feitos na própria residência. Dependendo da preferência da família, pode ser um templo ou uma casa funerária. Algumas cidades no Japão chegam a ter casas funerárias sofisticadas, que oferecem até comodidades como hospedagem, alimentação e serviços de cremação no mesmo local.

Mofuku

Mofuku roupa de funeralNo Japão a maioria das pessoas se veste de preto para ir a velórios. Os homens usam ternos, sapatos e gravata preta com camisa branca. Mulheres optam por vestidos pretos sem decotes pronunciados e com mangas, sapatos e bolsa pretas. Em termos de jóias ou bijuterias, usa-se no máximo um colar simples de pérolas e brincos pequenos (solitários) de pérola. Elas também podem usar um mofuku (roupa de funeral), quimono formal de seda lisa preta, com obi (faixa larga) preta. Estudantes vão com o uniforme da escola.
As pessoas que comparecem ao velório deixam presentes em dinheiro (kõden) que serão entregues à família em envelopes especiais impressos em tons sóbrios e decorados com fitas rígidas pretas e brancas.

Kõden

Envelope kodenEsses envelopes são encontrados em papelarias e lojas de conveniência, e os valores doados variam de acordo com o grau de relacionamento que se tinha com a pessoa que faleceu. No envelope deve constar o nome da pessoa que está fazendo a doação, para que a família depois providencie agradecimentos. O kõden é uma doação que as pessoas fazem para ajudar a família com as altas despesas de um funeral. Evita-se dar somas com o número 4, ou quatro cédulas de dinheiro (o número 4 em japonês tem o mesmo som da palavra “morte”, e isso é considerado uma gafe).

O monge ou monja recita sutras diante do caixão e imediatamente um por um os membros da família e amigos prestam suas últimas homenagens ao morto. A forma do ritual varia um pouco de acordo com a seita e hábitos locais, mas via de regra cada pessoa pega uma vareta de incenso, acende-a numa vela e a coloca em pé numa tigela com areia e cinzas, enchendo primeiro a parte trás da tigela (se colocar o incenso no meio ou à frente as pessoas que vierem depois podem se queimar ao depositar o incenso). Em alguns locais o incenso já vem picado numa tigela, e pega-se um pequeno punhado com as pontas dos dedos da mão direita, leva-se o punhadinho à testa e joga-se numa outra tigela ao lado, que tem um montinho de incenso previamente aceso. Então faz-se uma oração rápida (“namu amida butsu”, ou “nam myoho renge kyo” – varia conforme a seita) e cumprimenta-se o corpo ou a foto do falecido curvando-se. Os primeiros a fazer isso são os familiares da pessoa falecida, seguidos por parentes e por amigos. Os familiares sentam-se na primeira fila diante do altar, e após se curvar diante do falecido ou da foto, as demais pessoas curvam-se diante dos familiares e retornam a seus lugares.

A vigília na noite que antecede uma cremação ou enterro costuma ser uma reunião informal com conversas sóbrias e discretas, servindo-se alimentos leves e chá (no Japão é usual servir até cerveja e saquê, mas no Brasil e nos EUA não se servem bebidas alcóolicas ou fermentadas nos velórios). Durante o velório familiares e amigos podem vestir-se com roupas mais confortáveis, mas ao amanhecer as pessoas se trocam e vestem preto formal (no Brasil tal regra não é seguida à risca – há famílias que o fazem e outras não). O monge repete o ritual do dia anterior acompanhado pelos presentes.

Ritual

Ritual de Kotsuage a Cremação no JapãoQuando o ritual termina, as janelas da parte superior do caixão são abertas para a despedida final – nesta ocasião é comum familiares flores e arrumá-las dentro do caixão com o corpo. Dependendo dos costumes da seita ou da região, além de simplesmente fechar o caixão com as travas próprias, a tampa é fechada com grandes pregos. Em seguida o caixão é levado a um crematório acompanhado pela família e amigos, onde será feita uma rápida cerimônia. O acionamento da fornalha é feito por um membro da família, ou pode, a pedido da família ser feito por um funcionário do crematório. Enquanto a cremação é processada, a família se reúne para um almoço.

Após algumas horas, a família se reúne noutra sala para onde uma grande bandeja de metal com as cinzas e partes de ossos do falecido ainda quentes é trazida. Usando um par especial de hashis (palitos de madeira – neste caso um é de bambú e outro de salgueiro, representando a ponte que faz a passagem da pessoa de um mundo para outro), eles irão procurar um certo osso do pescoço que aparenta ter a imagem de um Buda sentado. Depois disso todos os familiares, um por um – incluindo as crianças – pegam esses hashis fúnebres e transferem partes dos ossos para um vaso. É comum nessa ocasião as pessoas pegarem punhados das cinzas e ossos, que posteriormente serão depositadas em pequenos vasos e deixadas no oratório doméstico para que parte do ente querido permaneça com eles. A maior parte dos ossos e cinzas é colocada no vaso/urna cinerária, que depois é colocada numa caixa de papel branco ou bege e entregue à família. Mas tudo isso é só o início de uma série de rituais que durarão décadas.

Butsudan

ButsudanEm casa, a família deixará a urna cinerária no butsudan (altar doméstico budista) até providenciar a transferência definitiva da urna para o túmulo familiar num cemitério. No Budismo após o falecimento a pessoa deixa de ter o nome que usava em vida e recebe um nome póstumo, pelo qual passará a ser chamada no outro mundo. Esse nome é escrito num ihai, uma plaqueta de madeira que representa a alma da pessoa falecida. Quando a urna cinerária vai para o túmulo, o ihai e uma foto da pessoa permanecem no butsudan. Todos os dias ao acordar, os familiares dirigem-se ao butsudan para orar pelos mortos. Ao visitar uma família budista, é educado após cumprimentar as pessoas também dirigir-se ao butsudan e fazer uma reverência aos que já partiram. É assim que começa o culto aos antepassados no ambiente doméstico.

No Brasil nem todas as famílias japonesas seguem os ritos funerários japoneses. Boa parte dos descendentes nascida no Brasil deixou de praticar o Budismo e passaram a seguir outras religiões. Além disso, poucas cidades têm serviços de cremação e há uma burocracia que deve ser atendida para que se possa proceder à cremação. Como muitas vezes a pessoa que falece desconhece tais exigências e não deixa uma disposição de última vontade registrada em cartório para viabilizar sua cremação, acaba-se enterrando o morto mesmo quando ele deixa reservado um cinerário num templo. Quando a pessoa deseja ser cremada seguindo os rituais budistas, é prudente verificar antes no crematório municipal qual a documentação necessária para que familiares ou amigos possam providenciar adequadamente a cremação e a transferência das cinzas para um cinerário.

Fonte: Cultura Japonesa

Autora: Cristiane A. Sato

.

Veja Também

acesso-magnético

Japoneses usam cemiterios com túmulos de alta tecnologia

A falta de espaço obrigou os japoneses a usarem de tecnologias com os mortos.  Japoneses ...