Ligue-se a nós

Incomum

Mulher foi velada viva no dia de finados

Publicação

no

Vera Lúcia foi velada viva no cemitério em Camocim CE

mulher-foi-velada-viva-no-dia-de-finados

Mulher foi velada viva no dia de finados

O caso chamou a atenção dos visitantes, em pleno dia de finados Vera Lucia foi velada com tudo que havia de direto num velório tradicional. A cinco anos Vera Lúcia de Araújo Silva já procurava por uma funerária que atendesse o seu desejo.  Paulo Araújo o proprietário da funerária,  explica que negou inúmeras vezes em atender esta cliente que cultivava este desejo por 14 anos, E este ano ele resolveu atender o pedido inusitado, já que a família resolveu consentir, o marido não gostou da ideia e por ele Vera Lucia não faria este velório.

funeraria-realizou-o-sonho-da-clientemulher-passou-o-dia-bebendo-apenas-agua-de-coco-e-chaVera não economizou,  pediu o caixão mais bonito, disse que queria ser velada para sentir o prazer de morrer.

A cerimonia aconteceu no Cemitério Jardim Eterno, com a presença de familiares, amigos e curiosos. Estiveram presente o sogro,  sogra, irmã, cunhado e amigos. Todos ficaram espantados com a cena mas respeitaram o momento. Uma amiga até chorou no velório e pediu para Vera se levantar do caixão onde, todos caíram na gargalhada.

O dono da funerária relata que não cobrou nada da “cliente” e cedeu o espaço e os materiais. Vera cumpriu todas etapas do velório, teve seu rosto maquiado o caixão de luxo foi todo ornamentado e passou todo o dia tomando água de coco  e chá.

Para finalizar ainda pediu para fecharem o caixão e seguissem por uma pequena distancia com ela dentro do caixão para que ela sentisse como seria o cortejo até o local do sepultamento. O bom de tudo isso é que só ficou até ai. Vera Lucia segue viva e com muitas lembranças e histórias para contar.

 

 

Loading

Clique e para ler tudo

Incomum

Agente funerário transportando cadáver em caçamba de caminhonete no PA

Publicação

no

O cadáver estava em meio a tecidos na caçamba da caminhonete

J.M.F.A dirigia uma caminhonete na noite desta segunda-feira 26/02 em Redenção-PA. Rodovia PA-287, no trecho que liga os municípios de Redenção e Cumaru do Norte. Os policiais em ronda ostensiva naquela região pediu que ele parasse o veiculo para verificação. Durante uma busca no veículo, a polícia descobriu um cadáver envolto em um cobertor sem documentação ou atestado de óbito.

Ao ser indagado pelos policiais, J.M.F.A disse ser dono de uma funerária e que o corpo estava sendo levado para ser preparado na cidade de Redenção.

No veículo também foi encontrado uma arma de fogo modelo 9mm sem a devida documentação e autoridade para portar a arma.

O homem foi levado à Delegacia de Polícia Civil de Redensang sob suspeita de porte ilegal de arma de fogo, munições e possível vilipendio de cadáver.

Na delegacia, J.M.F.A conseguiu provar ser dono de uma agência funerária e que estava a serviço da Secretaria de Assistência Social de Cumaru do Norte, que o contratou para fazer os serviços funerários daquele corpo.

ATUALIZAÇÃO ÀS 14H32 DESTA TERÇA-FEIRA 27/02
Por nota enviada na tarde de terça-feira, a Polícia Civil informou que
“homem apresentado pela Polícia Militar comprovou ser dono de uma funerária a serviço da Assistência Social de Cumaru do Norte. Sobre a arma de fogo, foi apresentada a Concessão de Certificado de Registro (CAC), que comprova a regularidade e a autorização para uso”

 

Loading

Clique e para ler tudo

Curiosidade

Corpos jogados aos abutres. É dessa forma que os corpos são tratados onde não se tem cemitérios

Publicação

no

No local muitos corpos são descartados como alimento para abutres

O especialista em cortar corpos em ação

Conhecemos bem a nossa tradição quando se trada de cuidar dos nossos falecidos. Porem em algumas regiões do mundo o nosso modelo é um verdadeiro problema. Afinal como fazer um sepultamento em uma região onde os terrenos são rochosos. Quase é impossível de cavar uma sepultura nesses lugares.

Vamos conhecer como é destinar seus mortos nas províncias chinesas e regiões como do Tibete, Qinghai, Sichuan e Mongólia Interior, bem como na Mongólia, Butão e partes da Índia, como Sikkim e Zanskar. Os locais de preparação e sepultamento celestial são entendidos nas tradições budistas Vajrayana como terrenos funerários.

Nas comunidades no alto dos Himalaias, a eliminação dos mortos é muito complicada – além do solo ser rochoso e congelado também dificultando o enterro e a cremação em grande parte devido à falta de árvores que possam ser utilizadas como fogueira e assim cremar os corpos.

Ao longo dos séculos, os povos da região desenvolveram rituais religiosos para resolver este problema, os chamados “enterros celestes” – onde o corpo é literalmente feito em pedaços e oferecidos como comida aos abutres para evitar a propagação de doenças.

A cerimónia numa comunidade tibetana localizada a 4.000 metros acima do nível do mar no Nepal. O local onde acontece a cerimonia é de difícil acesso. Fica a uma hora e meia de caminhada, Em ritmo de cortejo fúnebre até a chegada ao local designado para a cerimônia.

Os abutres

Abutres alimentando se dos restos humanos

No local um grande número de abutres já rodeia esperando a cirurgia (corte em pedaços do cadáver). Os animais são capazes de comer o corpo inteiro antes do início do processo de decomposição, facilitando assim a propagação de doenças.

Os budistas consideram este um ato sagrado que sustentará a vida de outro ser vivo.

Para facilitar o trabalho das aves e tornar o consumo mais rápido, um especialista usa instrumentos muito afiados para cortar o corpo em pedaços e jogá-los aos urubus.

“Os lamas não podem fazer o que eu faço. Eu já fiz vários funerais nos céus, mas ainda preciso tomar uma bebida forte  (uísque) para fazer isso”, afirma o especialista.

Segundo as crenças tibetanas, a alma deixa o corpo no momento da morte. Um corpo sem alma não serve para nada e seria um desperdício não utilizá-lo como fonte de alimento!

Loading

Clique e para ler tudo

Incomum

Três Passageiros com um caixão no Metrô de Salvador BA

Publicação

no

Situação que deixou os usuários do Metrô assustados

O metro de Salvador na BA parou nesta terça feira dia 16/01 para ver a cena mais esquisita que provavelmente já aconteceu por lá.

Três pessoas foram barradas na entrada da estação de metrô Lapa em Salvador, por estarem carregando um caixão, com um suposto morto dentro da urna.

Um dos impeditivos do objeto na estação foi o tamanho acima do permitidoA administradora do metrô de Salvador CCR,  informou por nota que três pessoas tentaram embarcar com “com um objeto que excedia as dimensões permitidas no regulamento do Sistema Metroviário”

Ainda não se sabe se havia mesmo uma pessoa morta dentro do caixão. Já que o motivo de estarem ali com o caixão seria atender ao ultimo desejo de um falecido que seria andar de metrô.

O passeio não aconteceu e os rapazes tomaram um rumo ignorado. E não se sabe para onde eles foram.

Fonte: ARATUON

Loading

Clique e para ler tudo

GOSTA DAS NOTICIAS?

Anuncie Aqui !!!

Nossa Loja

Ataude Artigos Funerários

Entre em nosso grupo

Recomendados

Anuncie Aqui !!!

newsletter whatsapp

+ Mais lidas