Ligue-se a nós

Curiosidade

É possível um morto se mexer?

Publicação

no

Braços e pernas podem se mover?

e-possivel-um-morto-se-mexer

É verdade! Os Braços e pernas podem se mover durante a rigidez cadavérica. Esse processo inicia se  entre uma e duas horas após a morte e pode chegar até as 24 horas.

Clique para conhecer

Pode ser assustador mas isso é possível e tem uma explicação científica!

Quando os médicos declaram a pessoa morta, suas atividades cerebrais deixam de funcionar, há ausência de todas as funções neurológicas e não podem mais transmitir informações para as demais partes do corpo, a pessoa é dada como morta e não poderá realizar mais nenhuma atividade. Porem as células que formam os tecidos começam a perder suas atividades e todos os órgãos iniciam o estado de decomposição ao longo do tempo, assim como acontece com todos os seres vivos.

Sistema funerarioEntão a explicação é bem simples: devido essa rigidez muscular que vai surgindo após a morte, a mesma vai contraindo os músculos e ao atingir algumas partes do corpo como os braços e pernas tendem a mover-se rapidamente, como um espasmo, que pode ser chamado de espasmos cadavéricos, ou seja, a pessoa continua morta (não se preocupe) apenas seus músculos com a ausência de ATP ficam sem energia e não podem realizar mais o movimento de contração, ou seja, não conseguem mais esticar e/ou relaxar, por isso apresentam esse tipo “aparente” de movimento, muitas vezes confundindo as pessoas ao redor que pensam que a mesma está viva!

Com certeza será muito assustador estar num velório e perceber que o corpo se moveu ou o seu braço saiu do caixão… (Eu sairia correndo com certeza)! Mas, não se preocupe e não precisa entrar em pânico, os espasmos não duram muito tempo e podem variar bastante dependendo da temperatura do ambiente, fatores que levaram à morte da pessoa e até mesmo o jeito na qual o corpo foi encontrado, seja num acidente ou na cama de um hospital, as condições são diversas e tudo isso pode influenciar no processo da rigidez cadavérica!

pum-ou-arrotoAlém disso, cadáveres também podem “arrotar” e “soltar pum”, pois a proliferação de bactérias no corpo resulta na formação de gases. Outra explicação para movimentos “cadavéricos” é a catalepsia, problema do sistema nervoso que diminui drasticamente os batimentos cardíacos, dando a ilusão de que a pessoa não morreu.

Gostou de ficar sabendo?

Receba outras noticias no seu Email e WhatsApp

    Seu nome (obrigatório)

    Seu e-mail (obrigatório)

    Número WhatsApp com DDD

    Autorizo o Portal Todas Funerárias a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários (Pare receber salve o nosso número WhatsApp em sua agenda 11 99567 7070)

     579 total de visualizações

    Clique e para ler tudo

    Curiosidade

    Sepultado a 7 palmos – de onde vem essa tradição

    Publicação

    no

    “Esta enterrado a sete palmos embaixo da terra”

    Muitos já ouviram esta expressão, principalmente os que tem mais de 40 anos de idade. Para os mais novos podem causar espanto, essa informação, ou ditado como queira chamar, esta frase é mais antiga do que você imagina, tudo começou na Inglaterra, por volta do ano de 1800, período em que uma doença chamada de PESTE BUBÔNICA ou PESTE NEGRA  se alastrava pela Europa, a doença chegou a dizimar cerca de 8.000 mil pessoas.

    Peste bubônica, a forma mais comum da doença, afeta os nódulos linfáticos e causa gangrena. Há outros dois tipos, a séptica, que causa infecção no sangue, e a pneumônica, que afeta os pulmões

    Peste bubônica, a forma mais comum da doença, afeta os nódulos linfáticos e causa gangrena. Há outros dois tipos, a séptica, que causa infecção no sangue, e a pneumônica, que afeta os pulmões

    Na época temendo a epidemia, foi estabelecida uma nova regra para os cemitérios realizarem os sepultamentos, e ficou determinado 7 palmos (cerca de 1,80 metros era justamente a profundidade entre a terra e o corpo. Logo após o fim da epidemia, esta norma foi suspensa e assim começaram a enterrar os mortos mais próximos da superfície.

    No entanto, cadáveres começaram a sumir repentinamente dos túmulos; – após um determinado tempo descobriram, que os mesmos estavam sendo vendidos para estudos para universidades. Diante desses fatores e a proximidade do cadáver com a superfície, o governo da época foi obrigado a retomar a lei dos 2 metros de profundidade, criada na época em que a doença se espalhava.

    A regra de enterrar as vítimas há 6 pés de profundidade ou sete palmos, algo em torno de 1,80 metros, também foi estabelecida também valia para que os animais, e principalmente os cachorros, não conseguissem alcançar os corpos e acabar disseminando a doença.

    Essa medida teve algumas variações conforme o entendimentos das autoridades locais. No Brasil se sepulta na terra  em torno 1,30 e 1,60 metros de profundidade, dependendo do estado ou do município.

    Principais meios de transmissão dessa doença

    Em 2015 a doença voltou a aparecer nos EUA nos Estados do Novo México, Arizona, Califórnia e Colorado, segundo o CDC. “O cão-da-pradaria (mamífero roedor) é o principal meio de transmissão da praga, e ele se concentra a oeste do meridiano 100”. A geografia e o clima do oeste dos EUA favorecem a presença desses roedores, e como eles são “animais sociais”, acabam contribuindo na proliferação de pulgas infectadas. A bactéria Yersinia pestis se espalha por meio de pulgas que habitam cães-da-pradaria. O furão-do-pé-preto e o lince-do-Canadá são outras espécies suscetíveis

    mazinha

    Foi útil para você essas informações?

    Receba outras no seu Email e WhatsApp

      Seu nome (obrigatório)

      Seu e-mail (obrigatório)

      Número WhatsApp com DDD

      Autorizo o Portal Todas Funerárias a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários (Pare receber salve o nosso número WhatsApp em sua agenda 11 99567 7070)

       2,063 total de visualizações

      Clique e para ler tudo

      Curiosidade

      Tanatopraxia – O que é?

      Publicação

      no

      Um procedimento para a melhora da condição do cadáver e a boa apresentação no velório

      Laboraratório de tanatopraxia

      Um procedimento importante para a preparação da pessoa falecida, afim de assegurar um melhor aproveitamento do tempo de velório e também sanar os constrangimentos aos familiares, que terão um velório sem o inconveniente de odores desagradáveis, bem como a melhora significativa da aparência da pessoa morta: assim o corpo não sofrerá, pelo tempo solicitado pelos familiares, as decomposições naturais.

      Por quais razões contratar?

      Para conservação mais próxima à natural apresentação da pessoa falecida para uma cerimônia de velório e evitar que o cadáver se transforme em um perigo em potencial orgânico para a higiene e saúde pública.

      Quem pode executar um procedimento de tanatopraxia?

      Clínicas especializadas com laboratórios próprios e licenciados e profissionais técnicos, habilitados em necropsia e tanatopraxia dentro das normativas da Anvisa (Agência Nacional da Vigilância Sanitária).

      Qual é o tempo de duração do processo de Tanatopraxia?

      Considerando que o corpo esteja na clinica especializada o tempo médio fica em torno de uma hora, dependendo da complexidade do trabalho a ser executado, deve levar em consideração o transporte ate a clinica que vai variar de acordo com a localidade ate a para cerimônia de velório.

      Qual é o custo da Tanatopraxia ?

      O custo pode chegar até de R$1.500,00 dependendo do trabalho executado e também a localidade onde este procedimento esta sendo realizado. Ha lugares que incidem taxas e impostos que são cobrados e pode ter variação dos valores.

      mazinha

      Foi útil para você essas informações?

      Receba outras no seu Email e WhatsApp

        Seu nome (obrigatório)

        Seu e-mail (obrigatório)

        Número WhatsApp com DDD

        Autorizo o Portal Todas Funerárias a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários (Pare receber salve o nosso número WhatsApp em sua agenda 11 99567 7070)

         1,595 total de visualizações

        Clique e para ler tudo

        Curiosidade

        Os dois túmulos que misteriosamente se juntaram

        Publicação

        no

        Um Fenômeno defendido por muitos e duvidado por outros

        os-dois-tumulos-que-misteriosamente-se-juntaram

        Por ser dois túmulos muito antigos, a curiosidade chama a atenção de quem se depara com essa imagem. É uma historia que ultrapassa os limites do entendimento. Confirmada e contada pelos moradores de São João do Triunfo PR, onde os dois jazigos que foram construídos de forma tradicional e misteriosamente se juntaram como você pode ver na foto. Do lado esquerdo da foto o tumulo de Maria Antunes Ferreira e ao lado direito de Lourenço Hipólito Neto.

        A historia que se contam é que isso foi a manifestação sobrenatural do amor entre estas duas pessoas ali sepultadas, que não puderam viver um grande amor, porque pertenciam a classes sociais diferentes e somente assim, depois da morte, puderam ficar juntos. O que intriga a todos é que os túmulos estavam muito distantes um do outro e não haveria como empurrá-los, ou mesmo não havia possibilidade de deslizar um ao outro, até porque o terreno é bem plaino.

        A descoberta 

        Lapides-do-tumulo-que-se-juntou

        Na placa de identificação do túmulo de Maria Antunes Ferreira consta a data de nascimento 3/01/1876 e de falecimento 10/02/1939, o que percebemos que ela faleceu com 63 anos. No túmulo de Lourenço Hipólito Neto também encontramos a data de nascimento 16/10/1924 e de falecimento 24/09/1939, o que demonstra que ele morreu com apenas 15 anos.

        Esta informação evidencia que os dois morreram no mesmo ano de 1939, Maria no mês de fevereiro e Lourenço no mês de setembro, mas a diferença de idade entre eles era de 48 anos. Informação que não condiz com a lenda que os dois teriam tido um romance, e teriam a mesma idade.

        Hipótese 

        Lourenço Hipólito pode ter sido filho de Maria Antunes que por algum motivo, de classe social por exemplo, não tenha tido a oportunidade de cuidar do menino e depois de mortos eles firmaram um laço de permanecer juntos.

        Mas, o mistério continua

        Mesmo supondo que Hipólito e Maria não teriam tido um romance como fala a lenda, o mistério continua. Como e os dois túmulos teriam se juntado? Fica a pergunta a quem quiser descobrir.

        Esta lenda até faz parte do livro Lendas e Contos Populares do Paraná do Governo do Estado de 2005 página 119.

        mazinha

        Foi útil para você essas informações?

        Receba outras no seu Email e WhatsApp

          Seu nome (obrigatório)

          Seu e-mail (obrigatório)

          Número WhatsApp com DDD

          Autorizo o Portal Todas Funerárias a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários (Pare receber salve o nosso número WhatsApp em sua agenda 11 99567 7070)

           2,937 total de visualizações

          Clique e para ler tudo

          newsletter whatsapp

          Ataude Artigos Funerários

          PRÓXIMO EVENTO

          Recomendados

          + Mais lidas