Ligue-se a nós

Noticias

Como é feita a necropsia

Publicação

no

Saiba como é feita uma necrópsia num cadáver

ILUSTRAÇÃO. Esse é um modelo de sala para os procedimentos de necropsia

Para emitir o laudo que determina a causa jurídica de uma morte, é necessário contar como os serviços do Instituto Médico Legal (IML). Diferentemente do que muitos pensam, esse procedimento é conhecido por necropsia, em vez de autópsia. Neste artigo, explicamos como é feita a necropsia. Mas tranquilize-se, pois imagens fortes foram retiradas do conteúdo. Atente-se às informações e acrescente-as ao seu conhecimento agora mesmo! Ao final do artigo, separamos outros serviços indispensáveis para lidar com a morte sem burocracia.

 

Vamos entender como é feita a necropsia

O que se faz no IML?

O IML emite laudo com a causa jurídica da morte e é um serviço ligado ao departamento da Polícia Científica e Secretaria de Estados de Segurança Pública. São perícias médico-legais realizados em cadáveres, partes de corpos e ossadas. O intuito é determinar o que levou aquele corpo à morte. Portanto, tem-se a necropsia. Outros exames em pessoas vivas também podem ser realizados dentro do IML.

O que faz um médico legista?

O profissional que trabalha no Instituto Médico Legal realizando necropsia é o médico legista. Ele precisa se graduar em medicina enquanto formação acadêmica e prestar concurso público. Posteriormente, deve também se especializar em balística, conforme determina a legislação criminal de exame de cadáveres.

Um médico-legista abre e analisa os órgãos de três cavidades do corpo: crânio, tórax e abdome, para descobrir as circunstâncias e as causas da morte.

Só três situações exigem esse tipo de exame:

  1. morte violenta ou suspeita, quando o corpo é levado para o Instituto Médico Legal (IML);
  2. morte natural em que faltou assistência médica ou por doença
  3. ou quando a doença é rara e precisa ser estudada, mais comum em hospitais acadêmicos.

Quando um corpo é enviado ao IML?

Por lei, o corpo deve ser encaminhado ao IML em casos de morte violenta, morte por causa desconhecida ou morte natural sem assistência médica. Sabendo como é feita a necropsia, agora você entende os motivos dessas prescrições legais. Em casos de quedas fatais de uma escada, por exemplo, pode parecer óbvio, mas é a perícia que dirá se a pessoal caiu ou foi empurrada. Esses serviços são realizados pelo Instituto Médico Legal.

Procedimentos rotineiros no dia a dia dos IMLs

Os procedimentos e o trabalho dos legistas em uma vítima de morte violenta.

1. Após o reconhecimento pela família, o corpo é identificado com um número que remete a documentos como o RG e o Boletim de Ocorrência. Roupas e projéteis são enviados para o Instituto de Criminalística, da Polícia Científica, que faz perícias em “cenas de crime” e objetos. O cadáver é pesado e lavado com água e sabão.

2. Na sala de necropsia, o exame começa com a análise externa do corpo. Médico e auxiliar procuram furos de bala, lesões e até sinais que identificam o morto, como uma tatuagem ou uma cicatriz. Todos os detalhes são anotados e farão parte de um documento emitido pelo IML.

3. “O próximo passo é o exame interno, pela abertura das cavidades do cadáver e pelo exame minucioso de suas vísceras”. Com um corte que vai do pescoço ao púbis e que pode ter formato de Y, de T ou de I, o legista tem acesso à caixa torácica e ao abdome.

4. Os órgãos agredidos que podem ajudar na descoberta da causa da morte são retirados e examinados – como um coração esfaqueado ou o estômago, no caso de envenenamento. É feita tanto uma análise geral quanto microscópica e os resultados são combinados no relatório final.

5. Depois dos órgãos do tórax, o médico corta o couro cabeludo de uma orelha a outra para remover o cérebro. A tampa do crânio é retirada com uma serra elétrica, mas o cérebro só pode ser arrancado se todos os nervos que o conectam ao corpo são cortados – entre eles, os nervos ópticos, ligados aos olhos.

6. Ao final da análise, os órgãos são reinseridos e o corpo é fechado. Os pequenos pedaços utilizados em exames são incinerados. O legista usa uma costura contínua, que tem um ponto inicial e segue do começo ao fim dos cortes. Cabelos e roupas escondem as suturas durante o enterro.

7. O processo inteiro, da chegada à liberação do corpo, dura de quatro a oito horas. A necropsia leva entre duas e três horas. Ao fim do exame, o IML emite uma Declaração de Óbito, com a identificação e o motivo da morte. Com esse documento, a família consegue retirar a a Certidão de Óbito em um cartório.

VEJA TAMBÉM

E quando ocorrer um falecimento na família? O que fazer?

Loading

Clique e para ler tudo

Noticias

O Trafico usando “carro funerário” no transporte de drogas

Publicação

no

Sem o cadáver, mas com 30 quilos de drogas na urna

Um carro caracterizado como carro funerário e com giroflex no teto (equipamento em desuso por funerárias), chamou a atenção e foi parado para verificação pela PRF. Acabou que resultou em um homem preso com 30 quilos de drogas dentro da urna.

O caso foi registrado na ultima sexta-feira 1/12 por volta das 16h40 na rodovia federal BR-364, próximo a Alto Garzas (360 quilômetros de Cuiabá). Durante uma fiscalização da PRF no km 48 da rodovia BR 364 a equipe abordou um veículo VW/Saveiro, adaptado para transporte funerário.

O motorista do caro ao ser questionado sobre o cadáver, para onde ia e de onde esta vindo começou a cair em contradição. Primeiramente, ele disse que vinha de Mirasol de Cieste e se dirigia à cidade de Mineiros, em Goiás, para buscar o falecido, cujo nome, sexo ou endereço não soube revelar.

Teste por 15 dias e confira se vai valer a pena ter o SISFUN na sua empresa

Conforme o boletim de ocorrência

Durante aos questionamentos, o motorista então indicou o local em que a droga estava escondida.

Ao verificar o compartimento de carga foram encontrados 30 tabletes de pasta base de cocaína dentro de um caixão, que somaram 30 kg. O motorista informou aos policiais que estava levando a droga para a cidade de Ituiutaba/MG e que receberia R$20.000,00 (vinte mil reais) pelo transporte, que seriam pagos caso a droga chegasse ao destino.

Diante das evidências, foi constatada, a ocorrência de tráfico de drogas. O autor foi detido e encaminhado à Polícia Civil de Alto Garças-MT.

Ao ser conduzido para demais esclarecimentos o motorista estava bastante nervoso, suas mãos tremiam e transpirava muito.

O carro funerário ainda encontra se retido para demais averiguações. Ainda não se tem informações se é um caro oficial de alguma funerária ou se estava caracterizada apenas para o trafego de drogas.

Esse não é um caso isolado, e em sua maioria são traficantes se passando por batalhadores do setor. Já divulgamos aqui outras ações frustradas, veja mais abaixo.

Enquanto houver o consumo de drogas haverá TRAFICANTE que tente de todas as formas atuar para abastecer os usuários.

Carro funerário clandestino foi preso transportando drogas da rodovia Fernão Dias SP

Motorista de funerária é preso durante blitz por suspeita de tráfico de drogas

Falso Carro funerario transportava urna repleta de drogas MG

 

Loading

Clique e para ler tudo

Curiosidade

Estatua em cemitério esta sendo assediada por inúmeras mulheres

Publicação

no

Mulheres ficam obcecadas ao verem a estatua no tumulo

Sinais de desgastes em algumas partes são visíveis

Trata se do túmulo do jornalista Victor Noir, que tornou-se um dos mais famosos e visitados do cemitério, principalmente por mulheres no cemitério de Père Lachaise, em Paris. Se você achou o nome do cemitério conhecido, sim, ele é o que aparece em Animais Fantásticos 2.

O motivo de tanta fama para o túmulo deste jornalista é o detalhe do “volume” na calça de sua estátua, o que claramente indica que o órgão genital esta em ereção. E isso tem atraído milhares de mulheres turistas anualmente ao túmulo do jornalista, assassinado há mais de 140 anos durante uma banal discussão com Napoleão III

A estátua em cima do tumulo tem sido molestada por inúmeras mulheres, já que se tornou um símbolo de fertilidade. Dizem que, se quem beijar os lábios da estátua, colocar uma flor no chapéu de Victor e se esfregar na região genital encontrará aumento de fertilidade e o sexo fica muito melhor. Os lábios salientes e as calças no moço estão ate brilhando com os beijos e as inúmeras fricções que a estatua já recebeu das pessoas.

Em 2004, uma cerca foi construída ao redor do túmulo para evitar que as mulheres tocassem na estátua, mas após numerosos protestos e invasões, a cerca acabou removida.

Tocar as partes sexuais da estatua faz parte do ritual

Segundo a lenda criada em torno da escultura, as mulheres casadas e as solteiras devem realizar uma ou todos os rituais:

  • Colocar flores no chapéu.
  • Beijar na boca de Victor.
  • Passar as mãos nas botas ou no sexo.

Sentar-se em qualquer parte saliente da obra: botas, queixo, nariz e o sexo

Resultados esperado pelas mulheres casadas

  • Nunca mais terá dificuldades em engravidar.
  • Plena e constante fertilidade para o resto da vida.
  • Amor eterno do parceiro.
  • Felicidades no casamento.

Resultados esperado pelas mulheres solteiras

  • Toda as virtudes descritas para as mulheres casadas.
  • Mais um marido bom e honesto.
  • Um marido 100% perfeito.
  • Um marido fiel e viril.

Essa se jogou em cima da estatua

Assim sendo, graças a essas obrigatórias tarefas para se encontrar o verdadeiro amor e a fertilidade, o bronze da escultura de Victor Noir, em várias partes, se encontram brilhantes e desgastadas.

A lendária estatua do tumulo de Victor Noir

Victor Noir é uma das muitas pessoas famosas sepultadas no Cemitério Père Lachaise de Paris, incluindo Jim Morrison e Oscar Wilde, e foi uma figura conhecida de sua época. Seu túmulo mostra a figura do jornalista de 22 anos, morto a tiros as vésperas de seu casamento pelo sobrinho-neto do imperador Napoleão Bonaparte e primo do então governante Napoleão III.

Aqui é a parte em que os legados de Noir se confundem. Hoje, o túmulo do jornalista se tornou popular não por representar uma voz em meio aos oprimidos no século XIX, mas porque muitas pessoas se esfregam em sua estátua na crença de que o túmulo pode realizar desejos de fertilidade.

A historia e a criação da obra

A escultura de bronze foi criada por Jules Dalou, um renomado artista francês, quando o cadáver do jornalista foi transportado para o Cemitério Père Lachaise, em 1891, após a fundação da Terceira República Francesa. Não se sabe ao certo quando Noir se tornou um símbolo de fertilidade e satisfação sexual, apenas que isso se deve por Dalou ter optado por dar à estátua uma protuberância significativa em suas calças.

O jornalista em questão foi convocado para um desafio de luta – uma prática comum para resolver os impasses entre o poderio masculino da época. Em 10 de janeiro daquele ano, Noir e o político se encontraram para um duelo, do qual o jornalista saiu com um ferimento de bala mortal, morrendo ainda no local do embate.

Sua morte causou indignação e comoção pelo mundo, colocando Noir como símbolo de resistência contra o governo e reinado tirânico de Napoleão III. Victor Noir foi enterrado em uma vila no interior da França antes de ser transferido para o Cemitério Père Lachaise, em Paris, que se tornou um local popular de peregrinação para os visitantes.

 

Loading

Clique e para ler tudo

Noticias

Justiça intervém contra o cartel funerário em Criciúma SC

Publicação

no

A Promotoria de Justiça de Criciúma, deflagrou a operação “Mercadores da Morte”.

A operação visa desmantelar um suposto esquema de cartel no setor funerário, que vem prejudicando a ordem econômica e explorando consumidores em momento de vulnerabilidade.

A ação teve inicio  manhã da terça-feira 28/11, e contou com o  Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) A ação ficou conhecida como “Mercadores da Morte”. Foram realizado em cooperação com a 29ª Promotoria de Justiça da capital e a 11ª Procuradoria dos Empresários de Criciúma. O principal objetivo foi desmantelar uma organização de esquema de cartel no setor funerário que estava prejudicado a economia e explorado os consumidores num momento vulnerável.

A operação contou com 118 policiais e foram cumpridos 32 mandados de busca e apreensão em Florianópolis, São José e Criciúma. Durante a operação, foram apreendidos mais de R$ 200 mil em dinheiro, cheques, documentos importantes, celulares e outros itens.

A 29ª Promotoria de Justiça da capital começou a investigar em 2022, com foco em irregularidades na prestação de serviços funerários. As empresas suspeitas estariam impondo preços superfaturados e controlando o mercado para eliminar a concorrência, prejudicando assim os consumidores.

Segundo a investigação, o esquema em Florianópolis funcionava para que, quando uma pessoa morresse, os familiares fossem encaminhados para a “funerária do dia”. Esta prática elimina a concorrência, cria um monopólio e explora famílias enlutadas e vulneráveis.

Atualmente, os serviços funerários funcionam em modelo de concessão, o que limita o número de empresas que podem prestar o serviço. Esta restrição cria um ambiente propício à formação de cartéis e à exploração de preços, com consequências negativas para os consumidores.

Os especialistas recomendam a adoção de um modelo “autorizado”, em que qualquer empresa com condições técnicas pode prestar serviços funerários. Essa mudança abriria a concorrência no setor e potencialmente reduziria a exploração de preços.

Enquanto o GAECO e as autoridades judiciais prosseguem com as investigações, o caso destaca a necessidade de revisão e reforma nas políticas que regem os serviços funerários em Santa Catarina, buscando proteger os consumidores e garantir práticas comerciais mais justas.

 

 

Loading

Clique e para ler tudo

FLUIDOS PARA TANATOPRAXIA

Anuncie Aqui !!!

Ataude Artigos Funerários

Entre em nosso grupo

Recomendados

Anuncie Aqui !!!

newsletter whatsapp

+ Mais lidas